20.8.08

Prefixo 85

Estima-se que os chamados "golpes do telefone" tenham surgido no Brasil em 2006. Com eles, veio a repercussão na mídia: são tantas as ocorrências que tanto os veículos de comunicação quanto a polícia deixaram de dar grande importância.

Mesmo assim, hora ou outra ainda se vê matéria sobre isso publicada no jornal. A descrição do golpe é tão esdrúxula - no sentido não-oficial da palavra - que, ao ler a notícia, nos perguntamos: mas como alguém acredita em uma coisa dessas?

Método

No início, a moda era o seqüestro-relâmpago falso. O telefone toca e uma voz desconhecida informa que teu filho(a)/irmão(a)/whatever foi seqüestrado. Talvez tenha caído em desuso porque exigia um certo conhecimento de público-alvo: o risco de dizer para alguém que não tem irmãos que o maninho está em cativeiro, ou falar por telefone que tua filha corre risco de vida enquanto ela está do teu lado, é enorme. Acho que desistiram quando até minha avó escapou dessa: ligaram dizendo que o filho dela que morava longe (tenho um tio no Paraná) tinha sido seqüestrado. Nem assim deu certo, então, o negócio é mudar de tática.


O golpe do seqüestro virou piada.

A mania do momento - já há algum tempo - é a promoção. Em nome de uma empresa qualquer, o suposto funcionário cita um rol de prêmios a que a vítima tem direito, contanto que ela doe determinada quantia para os criminosos uma instituição de caridade. Como o negócio se dá em âmbito nacional, a bola da vez é a campanha Criança Esperança.

"Heim, ainda é muito mais difícil
"

Isso era o que eu sabia antes de minha estimada genitora ser mais uma "contribuinte." O negócio é muito mais ridículo. Hoje fiquei sabendo de outros detalhes, como a ligação ser a cobrar e a vítima ser instruída a passar álcool no comprovante de depósito. Não entendo porque a preocupação com a destruição da prova, visto que as contas em que se deposita o dinheiro, sim, são contas-relâmpago.

Mesmo desconfiada, e até um pouco relutante, a mãe caiu na primeira fase do golpe. Depois do depósito inicial - de 200 reais -, é pedida uma segunda doação, que corresponde a 1% do outro prêmio. Minha mãe foi contemplada com um prêmio muito bom e teria de depositar 800 reais na mesma conta.

Após o ocorrido, ela admitiu que não estava tão confiante na veracidade da situação, mas achou que valesse a pena arriscar 200 reais. Desembolsar 800 paus, no entanto, não rolava.

E cai a ficha

Ainda bem que, além da minha mãe, a ficha também caiu. Ao saber do fato, minha foi enfática ao dizer que obviamente era um golpe e fez a mãe ir ao banco verificar se não poderia haver mais riscos. Por precaução - embora o bancário tenha garantido que ninguém poderia ter acesso àquela conta - a mãe ainda transferiu todo o dinheiro para outro banco.

Depois, ainda foi à delegacia registrar o que havia acontecido. O policial que a atendeu disse que não tem o que fazer, e que é freqüente esse tipo de ocorrência. "Até minha mãe caiu", contou. Para a Delegacia de Fraudações e Falsificações do Ceará - Estado de onde normalmente provêm as ligações -, o processo é lento porque normalmente "os criminosos já são pessoas condenadas pela justiça", referindo-se a presidiários. Nem sempre.

Psicologia

Se eu fizesse psicologia, acho que me dedicaria a tal estudo. Depois de saber de tantas ocorrências do mesmo caso, apesar da divulgação corriqueira de crimes do gênero, só me resta imaginar que a alma do negócio é a abordagem.

Minha mãe é o tipo de pessoa que não preenche formulários eletrônicos, porque não acha seguro fornecer dados pela Internet. Por que diabos ela teria acreditado em alguém com sotaque de nordestino que conta uma história sem pé nem cabeça? Ainda, a mãe vive neurótica ocupada com afazeres de casa e sendo constantemente atormentada pelo meu sobrinho - que apesar de superfofo, é uma peste muito agitado. Jamais imaginaria que ela ia se prestar a ir ao banco de manhã, para garantir prêmios de uma promoção no mínimo duvidosa.

Um cabeludo, de preto, no Evani

"Aquele que caiu no golpe do telefone" já não especifica nada. É incrível a quantidade de gente que cai ou escapa por pouco, mesmo com tantos avisos. Será, então, uma questão de esperança e conseqüente vulnerabilidade?

Informação


Há algumas semanas, uma senhora em Rio Grande foi acometida pelo mesmo esquema. Por acaso, eu li o jornal no dia posterior. Lembrei imediatamente disso quando a mãe - lamentando ter sido burra, mas agradecendo que tenham sido apenas 200 pila - me contou a função toda.

Reativei um e-mail que tinha feito pra mãe e a cadastrei no site do Diário Popular. Coloquei atalhos da Folha Online e da Adote - com que ela contribui - no navegador, para facilitar-lhe o acesso. Pensei, hoje, que isso não teria acontecido se ela tivesse lido a matéria antes de poder se identificar com a história.

Mais eficiente que revistar visitas e bloquear sinal de celular em presídios, pode ser a informação. Não se pode falar em falta de aviso: o Google apresenta 145 mil ocorrências para golpe telefone promoção. Infelizmente, a Internet e a mídia impressa não estão dando conta.

Minha sugestão é um anúncio de advertência sobre o caso no intervalo da novela das oito. Já se chegou a dizer que é um problema de segurança pública; publicidade legal é baratinho, ia ser uma baita idéia - e auto-propaganda - o governo bancar isso.

6 comments:

Leticia said...

Sabe que existem estudo psicológicos sobre esses "contos do vigário"? Parece que somos programados culturalmente para aproveitar oportunidades, esse mecanismo é o mesmo que faz a gente comprar algo só por que está em promoção, e a idéia de ganhar alguma coisa pira com cérebro e faz a pessoa reagir automaticamente. A não ser que ela fale com outra pessoa ou reflita antes de responder.
Vide a maneira como a maior parte das pessoas compra carros com mais acessórios do que preferia.

Beijos moça, e avise a sua mãe para nunca "confirmar dados pessoais" por telefone não importa de onde a pessoa diga ser.
(trabalhar de secretária em empresa é ficar atendendo telefonemas dizendo "estamos com uma conta sua aqui, se vc não nos passar o CNPJ vamos entrar com processo" ¬¬ Scammers paulistas.)

Karina Peres said...

Fico feliz em saber que pelo menos jah existe uma teoria pra isso! Que merda neh... valeu pelas informacoes ^^

Daniela Leal said...

Oi Karina, tudo bem?

Nossa, coitada da sua mãe. Uma vez estava estudando na casa de uma amiga e ligaram para outra amiga minha dizendo que havia acontecido um acidente com a mãe da menina... depois virou irmã... eles enrolaram bastante e ela deixou no viva-voz... muito horrível a gritaria que tava... O problema está lá nos carcereiros corruptos (muitos devido ao salário michuruca que recebem) que permitem que celulares entrem nos presídios, no governo que não constrói cadeias mais seguras...
Aff!! ¬¬

tenha um excelente final de semana!

Manoel Netto said...

É mesmo curioso o quanto ainda somos vítimas de tantos golpes, mesmo com tanta informação sendo publicada em jornais, tv e internet.

Iludidas por uma promessa de melhoria de vida, resolução de algum problema financeiro grave ou mesmo aquisição de um bem que sempre desejou, as pessoas não se questionam, nem ficam alertas.

Espero que esse quadro mude. Quando montei o Balela, foi com esse intuito.

Abraço

ândria Halfen, said...

beijomeliga.

Fabrício Braga said...

gostei da matéria mas acho que tem uns mais novos já rolando pelo o que fiquei sabendo quando liguei para a gvt ;/ e esses sim atormentam bastante.